Ícone do site

Planos de saúde passam a ser obrigados a cobrir testes rápidos da covid-19; saiba como funciona

Published 20/01/2022

Planos de saúde passam a ser obrigados a cobrir testes rápidos da covid-19 - Freepik

A Agência Nacional de Saúde (ANS) anunciou nesta última quinta-feira, 20, a decisão de incluir os testes rápidos da covid-19 na lista de cobertura obrigatória dos planos de saúde. A informação divulgada no Diário Oficial da União (DOU) pela ANS já entrou em vigor.

Os testes rápidos bancados pelos convênios médicos, porém, não dizem respeito aos realizados em farmácias. Com o pedido médico em mãos, o paciente que deve estar entre o 1º e 7º dia desde o início dos sintomas deverá recorrer a um laboratório. O ideal, neste caso, é que você entre em contato com seu convênio para que eles indiquem o laboratório mais próximo para testagem.

+++ ‘Super-Chico’ recebe 1ª dose da vacina após duas internações por covid-19 e mãe celebra

Critérios de inclusão e exclusão para testagem rápida pelo convênio médico

Como informa o documento desenvolvido pela ANS e compartilhado pelo DOU, seguirão para a testagem as pessoas que atendem os critérios do Grupo I, mas nenhum dos critérios do Grupo II:

Grupo I (critérios de inclusão):

Grupo II (critérios de exclusão)

+++ Jornalista Lílian Ribeiro celebra última sessão de quimioterapia

A medida foi tomada em decorrência do momento de grande crescimento da variante Ômicron no país e no mundo. “inclusão do teste rápido para detecção de antígeno pode ser realmente útil, tendo em vista que os testes rápidos são mais acessíveis e fornecem resultados mais rapidamente que o RT-PCR”, justificou Paulo Rebello, diretor-presidente da ANS.

“O teste de antígenos pode ampliar a detecção e acelerar o isolamento, levando a uma redução da disseminação da doença e, por consequência, a uma diminuição da sobrecarga dos serviços laboratoriais”, finalizou o diretor-presidente.