Testeira

A verdadeira história das bruxas: "A bruxa, por si só, já é um templo"

Na coluna desta semana, Cigana Kelida aproveita o gancho do Halloween para contar a verdadeira história das bruxas, até hoje vistas como seres tão místicos, mas são só mulheres livres, fortes e mágicas

Cigana Kelida Publicado terça 26 outubro, 2021

Na coluna desta semana, Cigana Kelida aproveita o gancho do Halloween para contar a verdadeira história das bruxas, até hoje vistas como seres tão místicos, mas são só mulheres livres, fortes e mágicas
A verdadeira história das bruxas, por Cigana Kelida - Foto de Monstera no Pexels

A Tessália, município da Grécia, um prado fértil com múltiplos cursos de água, pareceria ser a região de origem das bruxas. Lucio Apuleyo o descreve como "o berço da arte mágica", e muitos personagens citados na literatura têm essa origem. 

Circe, a feiticeira da mitologia grega, era uma espécie de bruxa capaz de transformar seus inimigos em porcos. E sua sobrinha Medéia também. O mundo antigo foi, portanto, responsável pelo estabelecimento de uma série de figuras retóricas que nos séculos subsequentes seriam associadas às bruxas. 

No entanto, não foi até o início da Renascença que nossa percepção moderna das bruxas realmente tomou forma. E um homem daquela época fez mais do que qualquer outra pessoa para definir a maneira como ainda imaginamos as bruxas: o pintor Albrecht Dürer. 

Em um par de gravuras extremamente influentes, Dürer determinou o que se tornaria o estereótipo da aparência de uma bruxa. 

Por um lado, como em "As Quatro Bruxas" (1497), ela poderia ser jovem, atraente e ágil, capaz de cativar os homens.

Por outro lado, como em "Bruxa que monta uma cabra de cabeça para baixo" (por volta de 1500), pode ser antigo e abominável.

+++ Olho no olho: por que a conexão visual é tão importante?

A verdadeira história das bruxas

Esta última gravura mostrava uma velha bruxa nua em uma cabra com chifres, símbolo do diabo. Ela tem úberes caindo para os seios, uma boca aberta que ela grita e pragueja, e fios de cabelo que apontam na direção em que ela está se movendo de forma anormal (um sinal de seus poderes mágicos). Ele até brande uma vassoura. Aqui está a matriarca das bruxas que encontramos hoje na cultura popular. 

Além dos artistas e suas artes, o cristianismo transformou a imagem da bruxa em algo relacionado ao satânico, porém, o significado da palavra na verdade é até algo bonito. 

E por essa razão, o que vem à mente primeiro quando você pensa na palavra bruxa? Temos certeza de que você pensa em uma mulher má, com algum tipo de vínculo com alguma entidade demoníaca que busca fazer o mal por meio de poções mágicas que prepara em um caldeirão e que voa sentada em uma vassoura, com uma aparência horrível capaz de assustar qualquer ser humano. Mas de onde vem essa ideia e por que essas mulheres começaram a ser vistas como algo do mal? Temos uma surpresa para você, no passado, a palavra bruxa, ou bruxa, em inglês não era associada ao mal, muito pelo contrário. 

Mas de onde vem essa ideia e por que essas mulheres começaram a ser vistas como algo do mal?

Entre os séculos XV e XVII, na Europa e na América, principalmente, era realizada a chamada Caça às Bruxas, época em que muitas pessoas, principalmente mulheres, eram executadas pela igreja por enforcamento ou queimadas até a morte, após serem acusadas de praticar a feitiçaria. Em nossos dias, isso é considerado bárbaro, como a história das Bruxas de Salem nos ensinou, muitas foram injustamente acusadas e condenadas.  

Geralmente, as acusações derivavam principalmente quando uma mulher demonstrava ter comportamentos que não se encaixavam nos estereótipos de gênero da época, quando alguém questionava autoridade, Deus ou mesmo mostrava inteligência para curar doenças usando misturas de ervas ou qualquer assunto. Naquela época, era desaprovado que qualquer mulher usasse suas virtudes, pois elas eram vistas apenas como uma máquina de procriar e nada mais. E te pergunto, será que evoluímos? Ou, as mulheres ainda hoje são julgadas pelos estereótipos? Eu acredito que ainda estamos longe de alcançar a liberdade feminina e libertar a bruxa que existe em cada uma de nós.

Lembre-se de que a palavra bruxa deriva de uma mulher fora dos padrões sociais que lutam pelo seu direito de igualdade de ser e sentir.

+++ Como fazer uma limpeza kármica de maneira segura e eficaz?

No entanto, nem sempre foi assim.

As religiões modernas começaram a questionar a prática da "magia" uma vez que era categoricamente proibida pela Bíblia, principalmente no Antigo Testamento, em Levítico 19:26 com a frase "você não fará adivinhação ou magia" e no Êxodo 22:17 que estabelece a pena de morte para quem o fizer “Os mágicos não os deixarão viver”, que foi tomada ao pé da letra pela igreja na queima de bruxas. Porém, muito antes de ser mencionado na Bíblia, todas as culturas da humanidade, desde o seu início, tiveram uma relação estreita com a magia e, na realidade, era percebida como algo bastante positivo e as mulheres que a praticavam já eram muito respeitadas. concebido como sábio.

Segundo um texto publicado pela National Geografic, aquelas que poderíamos considerar como a antecessora da imagem da bruxa atual, aquela que ilustra esta nota, são as mulheres da cultura celta, que possuíam um profundo conhecimento da natureza e eram especialistas no estudo de árvores e plantas.  

Na verdade, em inglês, o significado da palavra bruxa é até bonito, pois é uma conjunção entre as palavras sábia e mulher, que juntas significam "mulher sábia" e estas foram responsáveis por manter, proteger e transmitir o conhecimento até a próxima geração. Para a cultura celta, uma bruxa voadora simbolizava um ser que conseguiu se livrar de todas as suas limitações para transcender a níveis superiores, entretanto, esse significado foi se perdendo e passou a ser relacionado aos reinos satânicos. 

Já no Brasil, a palavra bruxa é tratada de forma muito pejorativa, está ligada a religião e principalmente quando se quer referir a alguém com comportamento negativo ou com uma aparência que não se encaixa no atual e doentio padrão social. Lamentavelmente. 

Por outro lado, há alguns especialistas que consideram que tem sua origem na palavra latina vulgar "voluxa", que significa "que voa". Outros também acreditam que vem da palavra proto-céltica "brixta", que significava "feitiço", que poderia ter a ver com o uso de misturas medicinais que eram capazes de mudar o curso de uma doença que, sem eles, significaria a morte, pelo que poderia ser considerado mágico.  

Mas, fica a pergunta: Esses especialistas que julgam as bruxas, são especialistas em quê? 

Apenas uma bruxa pode se considerar apta a falar sobre outra bruxa. 

Percebemos que o termo bruxa têm um significado muito poético em algumas sociedades e em outros lugares, principalmente no Brasil, ser uma bruxa ainda é sinal de discriminação, intolerância. 

Talvez, a discriminação seja pelo simples fato de uma mulher ser livre para fazer suas escolhas é voar é cá para nós em pelo 2021 isso ainda é espantoso. 

Qual a origem do halloween? 

Os antigos povos celtas fizeram uma grande cerimônia para comemorar "o fim da colheita". A celebração aconteceu no final de outubro. Este feriado foi nomeado após a palavra gaélica para "Samhain". (O significado etimológico é "o fim do verão".) É por isso que durante essa celebração eles se despediram de Lugh, deus do Sol. 

Os celtas habitaram diferentes regiões da Irlanda, Inglaterra, Escócia e França. 

Este feriado marcou a época em que os dias foram ficando mais curtos e as noites mais longas. Os celtas, como muitas culturas pré-hispânicas, acreditavam que no Samhain os espíritos dos mortos voltavam para visitar o mundo mortal. 

O ano celta terminou em 31 de outubro, no outono, cuja principal característica é a queda das folhas. Para eles, significava o fim da morte ou o início de uma nova vida. Esse ensino se espalhou ao longo dos anos de geração em geração. 

O costume era deixar comida e doces do lado de fora de suas casas como oferenda. Por outro lado, era comum acender velas para ajudar as almas dos mortos a encontrar o caminho para se iluminar e descansar ao lado de Lugh. 

Por outro lado, na noite de 31 de outubro, também foram realizados rituais. Estes tinham um caráter purificador para dizer adeus ao ano.

No dia 31 de outubro, à noite, em países de cultura anglo-saxônica ou de herança céltica, é celebrada a véspera da festa de Todos os Santos, com todo um conjunto para lembrar os ancestrais. 

O feriado Samhain se transformou, como é chamado, em muitos lugares, como o Halloween. 

Todos os anos, diferentes tradições se juntam, se misturam e se influenciam, do final de outubro ao início de novembro, nas culturas dos países ocidentais. Na Ásia e na África, o culto aos ancestrais e aos mortos tem raízes fortes, mas não está tão vinculado a uma data específica como em nossa cultura como 02 de Novembro.

Halloween, dia das Bruxas, nos Estados Unidos
Yaroslav Shuraev no Pexels

Se há uma nação que celebra o Halloween em grande estilo, é os Estados Unidos. Neste território, a festa também chamada de “Noite de Halloween” é um ícone cultural exportado para todo o mundo. 

Ao cair da noite, as ruas das cidades se enchem de crianças disfarçadas de monstros e todos os tipos de seres fantásticos que saem às ruas para pedir doces de casa em casa. Nesse ato, é tradicional a frase doçura ou travessura que as crianças emitem ao coletar doces. 

Casas, escolas e outros edifícios são adornados com todos os tipos de objetos alusivos às criaturas sobrenaturais como vampiros, bruxas, lobisomens, mortos-vivos e figuras icônicas de filmes de terror. Também não faltam imagens de túmulos, cemitérios, aranhas, gatos e abóboras. 

As bruxas estão em nosso meio, muitas vezes disfarçadas. Para se fazer uma magia nem sempre é necessário um acessório ou oráculo, pois, a bruxa, por si só, já é um templo.

Para esse mês das bruxas, devemos deixar de lado apenas a parte comercial do dia e tentar pelo menos por um minuto, orar, rezar, meditar, enviar vibrações positivas a milhares de mulheres que desde os tempos primórdios ousaram ser mulheres a frente de seu tempo. 

Paz e Luz,

Kelida.


Espiritualista e psicanalista, Cigana Kelida, a colunista da Bons Fluidos trabalha ajudando milhares de pessoas ao redor do mundo a resgatarem seu poder ancestral com um pouco de magia.

Detentora de um dos principais canais do YouTube sobre Espiritualidade, com mais de 800 mil inscritos e mais de 60 milhões de views em seus vídeos, Kelida que também é psicanalista, hipnóloga e terapeuta holística, reikiana, realiza atendimentos online, promove rituais de cura, benzimentos e vigília, de maneira constante e gratuita.

Faz previsões, rituais, responde perguntas através do baralho cigano e fala com propriedade sobre conexões entre almas, cartas psicografadas, numerologia e terapias alternativas. Com toda essa bagagem espiritual (bruxa naturalista na linhagem de São Cipriano por tradição familiar) e profissional (formada em psicologia), a mística espiritualista atua unindo corpo, mente e espírito.

Por aqui, teremos conteúdos sobre esses temas incríveis todas as terças-feiras, às 12h.

SITE: www.ciganakelida.com

INSTAGRAM: @kelidaoficial

YOUTUBE: Cigana Kelida

Último acesso: 04 Dec 2021 - 01:11:37 (1045917).