Publicidade

Você sofre de ansiedade noturna?

Você se deita na cama, tem dificuldade para pegar no sono e é atormentado por pensamentos intrusos. Na coluna dessa semana, Jamar Tejada explica o que é e como tratar a ansiedade noturna

Você sofre de ansiedade noturna? Jamar Tejada explica
Você sofre de ansiedade noturna? Jamar Tejada explica – Freepik

A ansiedade atinge mais de 300 milhões de pessoas em todo o mundo, e o Brasil, infelizmente, lidera o ranking. Em 2023, éramos 18,6 milhões de brasileiros “ansiosos”, conforme dados da Opas (Organização Pan-Americana da Saúde) e isso correspondia, na época, a 9,3% da população. Países como Paraguai (7,6%), Noruega (7,4%), Nova Zelândia (7,3%) e Austrália (7%) surgem em seguida, completando o ranking dos cinco países com o maior percentual de registros. Não é pouca coisa, não!

Publicidade

E você? Sofre com ansiedade? É daqueles que leva para a cama os problemas que surgiram durante o dia e vira a noite bufando?
É raro encontrar alguém que sofra de transtorno de ansiedade e não tenha ansiedade noturna. É sabido que o sono é necessário para todos os seres humanos se sentirem dispostos e energizados. Mas isso muito fácil falar para quem não sofre. Ao contrário, para quem sofre…

O que é a ansiedade noturna?

Muito associada à insônia, a ansiedade noturna é comum entre pessoas que convivem com o transtorno de ansiedade e a relação pode ser interpretada como cíclica. Não são apenas as preocupações que o ansioso leva para a cama. Os pensamentos negativos e medos também vão junto.

O objetivo agora é acalmar a mente. Mas por que será que justo a hora de dormir desencadeiam tantos sintomas? Acontece que à noite não há as distrações e estimulantes que estão ao nosso lado durante o dia, abrindo espaço para pensamentos intrusivos difíceis de controlar.

Os que sofrem com o transtorno podem ainda ter apneia, síndrome das pernas inquietas e insônia. Assim, a privação do sono reparador pode interferir na qualidade de vida, gerar estresse e atrapalhar o foco e a concentração para executar atividades do dia a dia.

Publicidade

Parece que estamos numa bola de neve que só cresce, descendo despenhadeiro abaixo. É um sistema “retroalimentativo”. A pessoa está preocupada em dormir, porque precisa dormir e porque vai acordar muito indisposta no dia seguinte se não dormir bem. Isso tudo são fatores que aumentam a ansiedade, ou seja, o fato de saber que não irá dormir gera ainda mais ansiedade e agrava o quadro.

Quais são os sintomas da ansiedade noturna?

Os principais sintomas que apontam que você está sofrendo com este problema são:

  • Inquietação;
  • Necessidade de se levantar de madrugada;
  • Respiração intensa ou ofegante;
  • Dificuldade para adormecer;
  • Pensamento acelerado;
  • Necessidade de ficar com os olhos abertos;
  • Sono interrompido;
  • Cansaço emocional e físico;
  • Falta de atenção durante o dia;
  • Palpitações;
  • Taquicardia;
  • Sudorese;
  • Tremores;
  • Dor ou desconforto no peito;
  • Sensação de muito frio ou muito calor;
  • Náuseas;
  • Pensamentos intrusivos que impedem que o cérebro descanse.

Também há quem acorde no meio da noite assustado e com o batimento cardíaco acelerado. Além desses sintomas, algumas pessoas também podem ter comportamentos de compulsão para a busca de um alívio imediato, por exemplo, “assaltar” a geladeira na madrugada ou mesmo “buscar ajuda” nas drogas e álcool.

Publicidade

O quadro de ansiedade noturna se manifesta de diferentes formas, até porque cada pessoa é diferente. Há ainda três tipos de transtornos de ansiedade que podem acontecer à noite, são elas:

Ansiedade noturna inicial

Trata-se da ansiedade caracterizada pela dificuldade para dormir, ou seja, para pegar no sono. Ela deixa a pessoa tensa e com sintomas aparentes quando decide se deitar, como palpitações e inquietações. Quem sofre com o transtorno pode acabar não conseguindo dormir à noite toda, revirar na cama e lidar com os sintomas físicos e pensamentos intrusivos.

Ansiedade noturna intermediária

Nesse tipo de crise ansiosa, a pessoa até consegue dormir, mas acorda várias vezes durante a noite. Depois que acorda, passa vários minutos ou horas tentando voltar a dormir, mas tem muita dificuldade para retomar o sono. São vários os motivos que levam a esses despertares noturnos. Geralmente, estão associados a padrões de comportamento influenciados por questões emocionais, conflitos diversos ou doenças físicas.

Publicidade

Ansiedade noturna terminal (ou despertar precoce)

Diz respeito ao tipo de ansiedade que faz a pessoa acordar “antes do despertador” e ficar pensando em todas as tarefas, problemas e preocupações do dia. Com isso, a pessoa fica exausta ao longo do dia, pois não conseguiu dormir as horas necessárias para recuperar as energias.

Quais são as causas da ansiedade noturna?

As causas variam em cada caso, mas existem alguns fatores que podem desencadear o fenômeno ou contribuir para a sua piora, entre eles:

Estresse

O estresse constante influencia no aparecimento de diversos problemas de saúde, podendo impactar o sono também. O problema aqui é quando o estresse é tão permanente que os níveis de cortisol no corpo continuam altos e atrapalham o bem-estar do indivíduo. Além disso, quando o nível de estresse é muito elevado, o organismo libera hormônios que provocam dores no corpo, enxaqueca, mal-estar geral e problemas no coração.

Publicidade

Falta de rotina de sono

Quando não há uma rotina de sono, os hormônios ficam desregulados e é bem possível que a pessoa se depare com várias dificuldades para dormir. Assistir televisão ou ficar no celular pouco tempo antes de se deitar não é recomendado e não ter horário fixo para dormir e acordar também atrapalha todo o processo.

Um sono de qualidade e restaurador depende de vários fatores. Por isso, manter uma rotina de sono, com horários regulares e ambiente adequado é de suma importância para a saúde. Na ausência de rotina, os hormônios ficam desregulados, o cérebro não relaxa e a pessoa pode desenvolver graves distúrbios do sono.

Preocupações

Aqueles que não conseguem se afastar das preocupações do dia a dia impedem que o cérebro desligue e o indivíduo consiga dormir. Para quem sofre com o transtorno, é muito comum, ao se deitar na cama, se sentir invadido por pensamentos desgovernados e pela antecipação de acontecimentos. Normalmente, os indivíduos que não conseguem se afastar das preocupações da rotina tendem a apresentar dificuldade para dormir. Nessas circunstâncias, o cérebro continua ativo porque está habituado a antecipar situações de negatividade que impedem o relaxamento mental.

Depressão

Em alguns casos, a ansiedade noturna pode estar associada a sintomas de depressão, pois esse distúrbio tem o potencial de atrapalhar o sono. Por isso, é importante consultar um psiquiatra para ter o diagnóstico correto.

Como tratar a ansiedade noturna?

Felizmente, existem várias maneiras de tratar a ansiedade noturna e voltar a ter noites de sono de qualidade. O tratamento, por sua vez, precisa ser adaptado conforme a intensidade e características do quadro. Por isso, é fundamental buscar auxílio médico para cuidar deste problema e receber o diagnóstico correto.

E como melhorar?

Exercícios físicos

Você deve estar cansado de ouvir sobre os efeitos positivos que a prática regular de exercícios físicos apresenta, como a redução dos níveis de ansiedade, aumento da disposição e sensação de relaxamento.

Inclua atividades prazerosas na sua rotina. Está valendo pequenas caminhadas, natação, esportes coletivos ou qualquer outra forma de movimentar o corpo da sua preferência, mas mantenha a frequência e simplesmente comece!

Rotina de sono

Criar uma rotina de sono é fundamental também. Primeiro, determine horários fixos para dormir e acordae. É claro que isso não significa que você não possa sair da rotina, mas, no geral, é importante ter isso bem estabelecido.

Outra dica é procurar fazer algo relaxante antes de se deitar, como tomar um chá, ler um livro, fazer exercícios de respiração e meditar. Evitar televisão e celular é importante para se desconectar nesse momento. Saiba mais sobre como ajustar os ponteiros do sono na minha coluna na Bons Fluidos clicando aqui.

Psicoterapia

A psicoterapia é o principal suporte profissional especializado. O acompanhamento psicológico é necessário para que o indivíduo aprenda a lidar com seus dilemas e preocupações de maneira mais saudável e criando estratégias internas de enfrentamento.

No acompanhamento psicanalítico, o indivíduo que está atravessando uma crise muitas começa a ganhar voz para as coisas que estão precisando ser ditas, na maoria dos casos essa trava é que gera a ansiedade. Resumindo, a terapia auxilia no entendimento do que está por trás da ansiedade e como elas podem ser trabalhadas da melhor forma.

Medicamentos e tratamentos naturais

Em alguns casos, pode ser preciso também consultar um psiquiatra, que será responsável pelo diagnóstico e irá analisar se é necessário adicionar medicações ao tratamento. A fitoterapia, óleos essenciais e os florais de Bach, além de serem menos agressivos ao organismo, devem ser a primeira escolha antes de tentar um tratamento alopático, e mesmo sendo naturais, você deve buscar um profissional habilitado para essa indicação. Para saber mais sobre esse tipo de tratamento, clique aqui.

Meditação

Não posso deixar de citar a meditação, uma prática que, se for executada com frequência, garante muitos benefícios para a mente, entre eles:

  • Acalma a mente;
  • Reduz o estresse;
  • Coloca o foco no presente;
  • Promove o bem-estar;
  • Aumenta a concentração;
  • Alivia dores físicas e mentais.

Quer saber mais sobre meditação? Você pode ler sobre o assunto aqui na minha coluna, clicando aqui.

Identificou-se com esse texto?

Dormir mal não é normal. Caso se identifique com os sintomas do texto, procure ajuda para receber o diagnóstico correto e começar um tratamento adequado. Não esqueça que as formas de atenuar os episódios de ansiedade noturna podem ser feitas no dia a dia, evitando alguns excessos e mudando alguns hábitos: manter uma rotina constante de sono, fazer atividades físicas regularmente até três horas antes do horário de dormir, deitar-se apenas quando sentir sono e evitar cafeína, álcool e tabaco durante a noite.