Publicidade
ato-racista
Saiba o que fazer se seu filho cometer um ato racista – Canva Pro / pixelshot

Recentemente, a atriz Samara Felippo foi às redes sociais para comentar a respeito de um ocorrido com sua filha de 14 anos. A menina sofreu ofensas racistas no colégio em que estuda. Em um vídeo, a mãe levantou alguns debates, chamando atenção para como deve ser a atitude das escolas e dos pais das crianças que cometem o ato racista.

Publicidade

Publicidade

Por isso, chamamos o psiquiatra, dr. Flávio Henrique Nascimento, para comentar sobre o assunto e explicar qual a melhor conduta para os pais das crianças que cometeram o ato racista. Confira abaixo:

O que fazer?

“Neste tipo de situação, os pais precisam abordar o comportamento de forma séria, mas educativa. Nunca deve-se amenizar a situação ou seus impactos. É importante que a criança entenda os efeitos da sua atitude, mas isso é o tipo de coisa que se ensina muito mais pelo exemplo do que pela correção em si, ambos têm de ser usados”, sinaliza.

Na hora da correção, o especialista indica uma forma educativa e proporcional à idade da criança, mas não recomenda castigos físicos, preferindo focar na aprendizagem: “A punição precisa acontecer para transmitir a gravidade do comportamento e que isso ocorre tanto com as pessoas afetadas, quanto para a própria criança”.

Publicidade

Como evitar o ato racista?

De acordo com Nascimento, é necessário ser modelo no dia a dia. “Os pais precisam ensinar a criança em casa desde cedo. O cérebro da criança, principalmente nos primeiros anos de vida, aprende muito mais pelo exemplo e pela repetição, então é necessário usar esses métodos. Valores devem ser ensinados desde cedo, não apenas quando ocorre um problema. Isso indica que já há comportamentos influenciados por valores desvirtuados, como preconceitos”, exemplifica.

E na adolescência?

Quando trata-se de adolescentes, é interessante que a forma de agir seja diferente, já que estão mais desenvolvidos e possuem uma capacidade de compreensão maior. “Os pais devem ter conversas mais maduras e abertas, explorando as razões por trás do comportamento e incentivando a reflexão sobre suas atitudes”, aponta.

Qual o papel da escola?

Alguns psicólogos entrevistados pelo jornal ‘Folha de São Paulo’ apontaram que o ato racista não pode ser tratado como caso isolado ou esporádico. No caso da psicóloga Maiara Pontes, a única atitude não deveria ser apenas mandar embora, mas sim fazer algo diferente. “Assim, a criança não aprende porque ela simplesmente sai do lugar onde ela mesma cometeu algo errado contra uma colega e machucando a mesma”, afirma ao veículo.

Publicidade