comportamento   / Coronavírus

Vacina do Butantan é a mais segura e com menos efeitos colaterais, afirma Instituto

Presidente do Instituto Butantan afirmou que voluntários da CoronaVac não apresentaram efeitos colaterais graves

Bons Fluidos Publicado terça 20 outubro, 2020

Presidente do Instituto Butantan afirmou que voluntários da CoronaVac não apresentaram efeitos colaterais graves
Diretor do Instituto Butantan afirmou que a vacina chinesa é a mais segura - Pixabay

A CoronaVac, como está sendo chamada a vacina contra a Covid-19 desenvolvida na China e produzida no Instituto Butantan, é a que menos causou efeitos colaterais graves e a mais segura entre as vacinas em testes, afirmou o diretor do instituto, Dimas Covas, nesta segunda-feira, 19. 

9 mil voluntários da área da saúde com idades entre 18 e 35 anos participaram das fases de testes da CoronaVac e, dentre estas pessoas, 35% apresentaram efeitos colaterais leves como dor no local da aplicação da vacina e dor de cabeça. 

Até o momento, nenhum paciente da vacina chinesa desenvolveu algum tipo de doença ou efeito grave como aconteceu com as vacinas produzidas pela Universidade de Oxford com o laboratório AstraZeneca e a vacina produzida pela Johnson & Jonhson, que recentemente interromperam os testes após pacientes apresentarem efeitos colaterais graves. 

+ VEJA TAMBÉM: Johnson & Johnson pausa testes de vacina da Covid-19 após paciente apresentar 'doença inexplicada'

"A vacina Butantan é a mais segura em termos de efeitos colaterais. É a vacina mais segura neste momento não só no Brasil, mas no mundo”, disse Dimas Covas.

A mesma vacina também foi testada em mais de 50 mil voluntários chineses e apenas 5,36% apresentaram efeitos colaterais semelhantes aos apresentados pelos voluntários brasileiros como dor no local da aplicação, dor de cabeça e em alguns casos febre e fadiga. 

A CoronaVac passa agora pela fase 3 de vacinação, que é quando inclui um novo perfil de voluntários como idosos e pessoas com comorbidades. Espera-se que até o final de dezembro todos os voluntários tenham recebido a vacina para então iniciar o processo de aprovação pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). 
 

Último acesso: 03 Dec 2020 - 17:02:42 (1043649).