Publicidade
decifrar-seus-sonhos
Aprenda a decifrar seus sonhos – Andrea Piacquadio / Pexels

Você é uma pessoa que sonha demais? Ou é do tipo que, durante à noite, se depara com os mundos mais doidos possíveis? Há também os que dizem que não sonham, você faz parte deles? Se sim, esta matéria é para você. Conversamos com a psicóloga clínica, Hannah Itzicovitch Leventhal, que nos revelou cada detalhe para te ajudar a decifrar seus sonhos. Confira:

Publicidade

Para entender melhor, é necessário levar em conta que eles são símbolos, representações de vivências, características da sua personalidade, e, resumidamente, uma forma da sua consciência e do seu inconsciente conversarem. E, se olhá-los de perto e analisá-los, poderá compreender o que significam.

Uma apresentação, significados diferentes

Sabe quando acontece de você e um amigo sonharem com o mesmo objeto? Muito provavelmente, eles não significarão a mesma coisa para ambos. “Um exemplo: os dois deparam-se com uma boca. Para você, por exemplo, pode ser uma lembrança da dor de dente que tinha quando criança, e para o outro, um simples sorriso. É importante entender o que os elementos têm a ver com a pessoa”, exemplifica a profissional.

O que há por trás dos sonhos malucos?

Não se preocupe se você não consegue entender seus sonhos caso pareçam muito malucos para ser verdade. Leventhal garante que não tem absolutamente nada de errado com sua saúde mental e que isso torna-se mais preocupante se estiver passando por alguma angústia na vida acordada. “O inconsciente é atemporal, então o sonho vem e não é possível saber o que significa, e está tudo bem, porque, às vezes, vai ter a ver com alguma coisa que ainda não aconteceu”, esclarece.

Basta ter um olhar de respeito. “Os sonhos malucos e sem pé nem cabeça podem ter algum sentido se estiver espaço para pensar sobre”, finaliza.

Publicidade

Anote tudo o que sonha

A dica da psicóloga é: anote seus sonhos de alguma forma, seja por meio do bloco de notas, áudio do celular, ou até mesmo um caderno que possa estar sempre na cabeceira para anotar tudo assim que acordar, dessa forma, não perde detalhe algum. “Se em algum momento, fizer sentido, você também pode voltar naquilo e conversar a respeito”, aconselha.

É normal não sonhar?

Há quem diga que não sonha, mas será mesmo? De acordo com a especialista, todo mundo sonha, o que pode ocorrer é a pessoa não se lembrar. “É mais típico você acordar em uma fase que não se lembra dos seus sonhos, mas não significa que não sonhou, apenas não está tendo contato com isso”, afirma.

Os sonhos e o autoconhecimento

Apesar de não ser tão simples, é possível passar a autoconhecer-se melhor através dos sonhos. “Conforme a pessoa está em sintonia com eles, ela consegue trabalhá-los, pensando nos elementos, analisando o que pode ter a ver com a vida dela. Porém, só um sonho por um sonho não necessariamente gerará esse autoconhecimento”, explica.

Publicidade

E há chances também de conhecer melhor o outro, pois o consciente pode processar algo que não estava sendo notado. Entretanto, não é sempre. “Alguém que apareça nos episódios criados por sua mente tem potencial de ser a representação de um aspecto seu, um lado que você não esteja muito em contato”, relata.

Saiba como decifrar seus sonhos

O que você vivencia durante o sono tem a ver com o que já foi, está sendo e ainda do que pode vir a ser e como lida com as ocorrências. Sendo assim, são necessários uma escuta apurada e um olhar afiado para entender isso. Você pode procurar psicólogos especialistas que trabalham para lhe ajudar a decifrar seus sonhos ou analisá-los sozinho, mas tome cuidado para que não vire algo obsessivo e que possa te consumir.

Publicidade