Comunidade científica na Alemanha organiza show para analisar disseminação do coronavírus; entenda

A apresentação ocorreu no dia 22 de agosto, na cidade de Leipzig, localizada na região central do país europeu

REDAÇÃO BONS FLUIDOS Publicado sexta 4 setembro, 2020

A apresentação ocorreu no dia 22 de agosto, na cidade de Leipzig, localizada na região central do país europeu
Cientistas da Alemanha organizam show para testar disseminação do coronavírus; entenda - Foto de Vishnu R Nair no Pexels

Pesquisadores da Universidade Martin Luther Halle-Wittenberg, na Alemanha, organizaram um evento que contou com cerca de 1.400 voluntários que aceitaram participar como espectadores de um show num experimento que buscava analisar o risco de infecção pelo coronavírus em grandes eventos aglomerados, realizados em locais fechados.

O teste que ocorreu na Quarterback Immobilien Arena, em Leipzig, localizada na porção central do país europeu, no dia 22 de agosto, contou com a apresentação do cantor pop nativo Tim Bendzko.

+ VEJA: Vacina russa demonstra eficácia e é segura, aponta primeiro estudo divulgado na 'The Lancet'

De acordo com reportagem publicada pelo jornal The New York Times, os 1.400 voluntários da plateia estavam usando máscaras de proteção, além de um rastreador digital de localização e desinfetante de mão misturado com corante fluorescente. Para reduzir os riscos de infecção, todos os participantes fizeram o teste da Covid-19 e ainda tiveram suas temperaturas conferidas.

Durante o experimento que durou um total de 10 horas, os pesquisadores solicitaram que os voluntários simulassem diferentes cenários de um show, como, por exemplo, evitar o distanciamento, adotar medidas mais brandas, e por fim, medidas mais rígidas. Idas ao banheiro e compras de bebidas e comidas também foram simuladas.

+ VEJA: Falta de vitamina D pode aumentar os riscos de Covid-19; saiba como aumentar os níveis deste composto no organismo

Os rastreadores citados anteriormente foram os responsáveis por denunciar a quantidade de vezes que eles chegaram perto uns dos outros. Além disso, lâmpadas ultravioleta evidenciaram quais superfícies estavam cobertas com o desinfetante fluorescente.

Stefan Moritz, chefe do departamento clínico de doenças infecciosas da universidade e responsável por conduzir o estudo, disse em entrevista ao jornal novaiorquino que o experimento é uma resposta para a falta de "literatura científica" disponível às autoridades sobre os riscos de eventos como este para a população. "Sabemos que os contatos pessoais em shows são arriscados, mas não sabemos onde eles acontecem. É na entrada? Na arquibancada?", questionou a profissional.

De acordo com o cientista, os resultados do estudo, patrocinado pelos estados da Saxônia e Saxônia-Anhalt, devem ficar prontos em outubro.

Último acesso: 03 Dec 2020 - 16:20:34 (1043381).