comportamento   / Coronavírus

Brasil ultrapassa a Índia em número de vacinados contra a Covid-19 proporcionalmente

O Brasil já vacinou mais de 600 mil pessoas, o que significa que 1 a cada 400 pessoas já tomou a primeira dose do imunizante

Bons Fluidos Publicado segunda 25 janeiro, 2021

O Brasil já vacinou mais de 600 mil pessoas, o que significa que 1 a cada 400 pessoas já tomou a primeira dose do imunizante
O país ultrapassou o número de vacinados proporcialmente - Freepik

O Brasil atingiu a marca de mais de 600 mil pessoas vacinadas contra a Covid-19 desde o domingo, 17, após a Anvisa aprovar o uso emergencial da CoronaVac, vacina produzida pela farmacêutica Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, e mais outras duas vacinas, a de Oxford e da Pfizer. 

Segundo o site de monitoramento Our World in Data, o país ultrapassou a Índia em número de vacinados proporcionalmente. Os dados, atualizados na noite do último domingo, 24, mostram que o país asiático aplicou a dose em 0,11, isso é quase 1 a cada 900, enquanto o Brasil  já vacinou 0,25 pessoa a cada 100 habitantes (1 a cada 400). 

+ VEJA TAMBÉM: Mitos e verdades: Entenda o que é placebo e a importância dos testes clínicos

+ VEJA TAMBÉM: Instituto Butantan divulga bula da CoronaVac; saiba quem pode e quem não pode tomar a vacina

Esses números se dão, princialmente, devido ao número alto de habitantes na Índia (1,353 bilhão), isso é seis vezes o número da população brasileira (209,5 milhões), mesmo tendo inciado a imunização da população indiana um dia antes do Brasil, o país asiático necessitará de mais tempo para aplicar todas as doses em seus habitantes. 

Embora o Brasil seja referência em relação a campanhas de imunização em massa, segundo especialistas, o país ainda está em um ritmo "morno" frente a vacinação da Covid-19 em relação a outros países, como o Reino Unido, que já administrou mais de 5 milhões da vacina em sua população. 

QUEM PODE E QUEM NÃO PODE TOMAR A CORONAVAC?

Nesta última quarta-feira, 20, o Instituto Butantan divulgou a bula da CoronaVac, vacina desenvolvida pelo centro de pesquisa brasileiro em parceria com o laboratório farmacêutico chinês Sinovac.

Pessoas com doenças agudas, enfermidades crônicas, histórico de epilepsia ou convulsão, gestantes e lactantes devem procurar um médico especialista antes de receber o medicamento.

Os pontos de vacinação também estarão abastecidos com doses de adrenalina para reverter qualquer possível choque anafilático que ocorra em decorrência de reações alérgicas com a CoronaVac.

Último acesso: 30 Nov 2021 - 12:04:31 (1044228).