gravidez   / Maternidade

Impressionante! Bebê americano nasce de embrião congelado por 27 anos e atinge novo recorde

Molly Everette Gibson nasceu em outubro de 2020 e bateu o recorde do embrião anterior, congelado por 24 anos

REDAÇÃO BONS FLUIDOS Publicado sexta 4 dezembro, 2020

Molly Everette Gibson nasceu em outubro de 2020 e bateu o recorde do embrião anterior, congelado por 24 anos
Bebê americano nasce de embrião congelado por 27 anos e atinge novo recorde - Foto: Cortesia National Embryo Donation Center

É fato que a ciência atrelada à tecnologia está mudando os rumos da humanidade. A recém-nascida Molly Everette Gibson é prova disso. Com apenas um mês de vida, Molly, nascida no dia 26 de outubro de 2020, já ultrapassou limites e marcou a história.

+ VEJA: Atenção, futuras mamães! 6 perguntas importantes para fazer ao ginecologista se você está pensando em engravidar

Filha de Tina e Ben Gibson, a pequenina foi gerada através de um embrião congelado há 27 anos. De acordo com informações da ABC News, o processo que se iniciou no dia 10 de fevereiro se deu através de uma transferência do citado embrião, que foi doado há quase três décadas por outro casal, para o útero de Tina.

Segundo a equipe de pesquisa da Biblioteca Médica Preston da Universidade de Tennessee, localizado no estado norte-americano em que a criança nasceu, o tempo em que o embrião passou congelado marcou um novo recorde. Porém, o antigo havia sido quebrado por ninguém mais ninguém, ninguém menos que a própria irmã de Molly, Emma Wren Gibson, que nasceu em 2017 a partir de um embrião congelado há 24 anos. Vale lembrar que ambos os embriões foram congelados juntos no ano de 1992, de acordo com informações do jornal Metro.

+ VEJA: O Milagre da Manhã: 6 dicas para criar um ritual matinal enriquecedor e garantir sucesso no restante do dia

A embriologista Carol Sommerfelt, que descongelou o embrião de Molly, falou sobre a emoção do processo para a ABC News"Quando Tina e Ben voltaram para fazer a transferência, fiquei emocionada que os dois embriões restantes do doador que resultou no nascimento de Emma sobreviveram ao degelo e se desenvolveram em dois embriões de boa qualidade para a transferência [...] Isso definitivamente se reflete na tecnologia usada há tantos anos e em sua capacidade de preservar os embriões para uso futuro por um período indefinido.”

Último acesso: 01 Mar 2021 - 06:47:40 (1043933).