Publicidade

Dia da árvore: para sentir e se inspirar

Aproveitamos a data especial para falar de um espaço que merece ser valorizado e que está a sua espera. Agora mesmo

Árvore – Shutterstock

Eu sou de todo mundo e todo mundo me
quer bem. Eu sou de ninguém. Eu sou de todo mundo e todo mundo é meu também.” A
canção dos Tribalistas, composta por Marisa Monte, Carlinhos Brown e Arnaldo
Antunes, toca a alma 
da praça.
Imparcial e aberta. Acolhedora como a natureza, ela aceita quem quiser entrar.
Área livre para dar um tempo, enquanto o verde faz sua parte em prol de nosso
estar bem. Esqueceu como é? Então talvez seja a hora de calçar um par de
sapatos confortáveis e voltar para lá.

Publicidade

Experimente

O sabor de nostalgia é comum aos frequentadores
das praças. Mesmo quem não viveu esses tempos pode guardar em algum canto a
memória coletiva do coreto e do footing – passeio comum do fim de tarde, quando
as moças iam em uma direção e os moços na outra só para cruzarem os olhares.
Falar de praça também é ficar com água na boca ao se lembrar da pipoca, que acabou de estourar, ou do
algodão-doce, que derrete macio. Ou ainda o pé de pitanga, de jabuticaba, de
amora, que deixa o ar e o chão coloridos. A sensação de colher as frutas no pé
só se equipara ao sabor da diversidade.
Tem gente para quem praça tem um gosto doce e salgado. Isolamento do barulho da cidade, mas também o encontro com
pessoas diferentes. É um pouco de tudo.

Conviva

Por definição, este espaço público
urbano deve ser livre de edificações e propiciar a convivência e a recreação.
Embora ninguém esteja com isso em mente, sempre que surge a oportunidade a
conversa flui gostosa. O motivo pode ser o sol ou não, a aula de tai chi chuan,
o chazinho para a cólica do bebê. A socialização, de qualquer forma, acaba
zelando pelo espaço. Praças abandonadas vão sendo revitalizadas. Árvores
maltratadas podem ser amparadas.

Publicidade

Contemple

Se você pensa em um banco toda vez que
alguém fala em praça, é porque já provou a sensação de ficar sentado ali sem
ter que dar satisfação para ninguém. Só olhando o jardim e deixando o verde
fazer sua parte. Há quem diga que as praças são templos a céu aberto.
Concentram uma energia que acalma e convida os solitários a permanecerem em
silêncio. Bom espaço sempre que sempre que se precisa colocar os pensamentos e
as emoções no lugar. Banco, árvores frondosas e um momento de sossego. Precisa
mais? A praça remove o estresse.

Conheça

Publicidade

A história de Rosely Brancaglione já
ficou famosa. Um dia, passeando
por uma praça próxima a sua casa, na Vila Madalena, em São Paulo, ela ficou
chateada por não saber o nome de quase nenhuma árvore. Entrou em contato com o Departamento de Botânica da Universidade de São Paulo e o
especialista José Ruben Pirani a ajudou a fazer a identificação das espécies.
Daí surgiu o projeto que emplacou cuidadosamente as árvores. Graças a ela, quem
passa pela pracinha sabe o que é uma sibipiruna, uma casuarina, um pé de jambo…

Comprometa-se

Uma praça pode revitalizar a cidade. Mas o que pode revitalizar a praça?
Um teatro. Era o que sentia Ivam Cabral quando escolheu a praça Roosevelt, no
centro de São Paulo, para instalar a Cia. Os Satyros. “Quando chegamos, em
2000, o lugar era dominado pelo tráfico e pela prostituição. Mas acreditávamos
no poder de o teatro interferir no entorno e mudar a paisagem”, conta. A
história da praça violenta vai
mudando. Agora está mais para praça da criação.

Publicidade