Publicidade

Computador, TV, celular: como lidar com o excesso de tecnologia durante o isolamento?

Confira dicas simples de como deixar de ser refém das telas mesmo sem sair de casa

Computador, TV, celular: como lidar com o excesso de tecnologia durante o isolamento? – Pixabay

A chegada do coronavírus ao Brasil no final do mês de fevereiro nos levou ao que foi considerada a medida mais eficiente para frear a disseminação do doença: o isolamento social. Após três meses dentro de casa, visivelmente concluímos que a maneira com que consumimos tecnologia aumentou consideravelmente.

Publicidade

A diversidade de aparelhos que nos cercam, como os celulares, tablets, computadores e televisões, somados a quantidade que plataformas streaming ou mídias sociais, como o YouTube, Facebook, Twitter e Instagram, mostram que nossa rede de possibilidades dentro dos aparelhos é gigantesca e cada vez mais abastecida.

Sabemos que o uso dessa tecnologia está, muitas vezes, a nosso favor. É o meio mais prático, rápido e semelhante ao real para conversarmos com as pessoas que estão longe, é a meio que as empresas encontraram para continuar produzindo a distância, é onde lemos as notícias, jogamos e nos entretemos.

Mas então, onde mora o problema? No excesso. Estamos dormindo e acordando com os aparelhos ligados ao nosso redor, pelo menos um deles. O excesso e velocidade de informações criam em nossa mente uma necessidade de conexão continua. Conectados o dia inteiro, desenvolvemos uma válvula de escape simplesmente para não confrontarmos as inquietudes da cabeça. Isso traz prejuízos nítidos para o organismo, como a falta de sono, sintomas de ansiedade, entre outros.

Pensando nisso, o portal VivaBem, do UOL, listou uma série de medidas para repensarmos o uso da tecnologia e refletirmos sobre como podemos usá-la ao nosso favor. Confira:

Publicidade
  • Eleja períodos do dia para ver notícias. Você pode escolher dois ou três sites de credibilidade para isso, ou eleger o melhor telejornal, na sua opinião.
  • Se você não trabalha atendendo ou falando com pessoas, tente dividir o tempo entre produção e conversação, deixando o celular longe da mesa nos períodos em que não precisará dele;
  • Desconecte-se das telas cerca de duas horas antes de dormir;
  • Busque atividades manuais que proporcionam a conexão com o tempo presente e consigo próprio. Atividades físicas, cozinhar, pintar, bordar, arrumar o guarda-roupa, etc., são algumas sugestões;
  • Uma ou duas vezes por dia, sente-se em um local tranquilo, sem distrações e concentre-se na respiração por alguns minutos. A meditação e as técnicas de atenção plena são ótimas para reduzir a ansiedade provocada pelos estímulos eletrônicos constantes. Uma boa ideia é utilizar a técnica de meditação quadrada. Não conhece? CLIQUE AQUI para conferir.