Publicidade

Máquina produzida em parceria com a Nasa é testada para capturar pernilongos na região do rio Pinheiros, em SP

O aparelho tem capacidade para atrair até 3 mil pernilongos; veja como funciona

Máquina produzida em parceria com a Nasa é testada para capturar pernilongos na região do rio Pinheiros, em SP – Flickr

A Empresa Metropolitana de Águas e Energia (Emae) vem testando durante todo o mês de outubro um equipamento produzindo em parceria com a Nasa, maior agência espacial americana, com capacidade para capturar até 3 mil pernilongos por dia.

Publicidade

O aparelho foi produzido em função da alta quantidade de pernilongos, principalmente na área do rio Pinheiros em São Paulo, local considerado por muitos moradores locais como um dos maiores criadouros do inseto na região. Os residentes froam responsáveis, inclusive, por criar um abaixo-assinado pedindo à Secretaria Municipal de Saúde (SMS) que projetasse uma solução urgente.

+ VEJA: NASA anuncia descoberta de água na Lua e gera esperanças sobre avanços na exploração do satélite

“Com as infestações que estão acontecendo em São Paulo, pedimos um teste dessa máquina, que é o que está acontecendo”, declarou Teresa Lana, assessora da presidência da Emae, em matéria publicada pelo portal Agora, da Folha de S.Paulo.

O teste, que está sendo realizado na Usina São Paulo, próximo a uma das pontes de cruza do rio Pinheiros, conta com um aparelho de um metro de altura e aproximadamente 25 quilos, que permanece entre os 36ºC a 40ºC e emite gás carbônico, condições essas que se assemelham com as do ser humano, tendo em vista, por exemplo, a respiração.

Publicidade

Ao chegar perto do aparelho inovador, os pernilongos são sugados por um ventilador e levados até uma tela de eletrocussão, as mesmas usadas para fabricar as famosas raquetes elétricas.

+ VEJA: Método Marie Kondo: 5 dicas de arrumação da maior guru da organização que mudarão sua vida

“Iremos avaliar quantos serão necessários, se será em toda a extensão ou em pontos críticos, como vai ser a aquisição. Primeiro, é feita a avaliação técnica para, depois, fazer a avaliação econômica.”, continuou explicando Teresa, caso a eficiência do aparelho fosse aprovada.

Publicidade