inspiracao   / Astrologia

Pesquisadores apontam que asteroide próximo da Terra pode ser parte de um foguete lançado há 54 anos

O corpo celeste que está em análise recebeu o nome de 2020 SO; confira a matéria

REDAÇÃO BONS FLUIDOS Publicado quinta 15 outubro, 2020

O corpo celeste que está em análise recebeu o nome de 2020 SO; confira a matéria
Pesquisadores apontam que asteroide próximo da Terra pode ser parte de um foguete lançado há 54 anos - Reprodução / Nasa - Foto de Miriam Espacio no Pexels

Especialistas da Nasa apontaram que um recém-descoberto asteroide que se encontra em rota próximo do planeta Terra pode ser, na verdade, parte de um foguete lançado 54 anos atrás.

Paulo Chodas, diretor do Centro de Estudos da Nasa para Objetos Próximos da Terra, disse em entrevista ao portal de notícias Associated Press que o corpo celeste em questão, nomeado 2020 SO, poderia ser a parte superior do Centaur, foguete projetado em 1966 e que tinha como missão lançar o módulo da Nasa Surveyor 2 em direção ao nosso satélite natural.

+ VEJA: Empresa cria golfinho-robô para substituir animais explorados em parques temáticos

O módulo espacial, ao chegar na Lua, acabou se chocando com a superfície do astro em decorrência do não funcionamento de um de seus propulsores, que não acendeu. Os cientistas acreditam que, após o incidente, o Centaur, teria passado pelo satélite da Terra e entrado em órbita ao redor do Sol.

Foi então que, recentemente, cientistas no Havaí avistaram o que seria considerado um asteroide vindo em direção ao nosso planeta. Paulo Chodas aponta alguns motivos para o suposto corpo celeste ser, na verdade, parte do foguete.

Primeiramente, o diretor cita o tamanho do objeto, uma vez que Centaur tinha oito metros, e o asteroide cerca de 10 metros. Além disso, o pesquisador também apontou que a órbita do objeto em volta do Sol se deu de forma circular, ou seja, de maneira semelhante com à da Terra (conduta incomum para um asteroide).

+ VEJA: Telescópio grava momento em que estrela é engolida por buraco negro; assista

Outros sinais são que diferentemente dos asteroides, que costumam surgir em ângulos irregulares, o objeto encontra-se no mesmo ângulo do nosso planeta, ou seja, não há inclinações para cima ou para baixo. Por fim, o objeto estaria se aproximando a uma velocidade de 2400 km/h, considerada baixa para um asteroide.

Até agora, o objeto aparenta ser apenas um ponto em movimento no céu. É necessário que ele se aproxima da Terra para que uma diferenciação mais correta seja feita. Chodas finalizou dizendo a AP"Eu posso estar errado nisso. Não quero parecer muito confiante. Mas é a primeira vez, na minha opinião, que todas as peças se encaixam em um lançamento conhecido de verdade".

Último acesso: 03 Dec 2020 - 17:07:40 (1043622).