Publicidade

Julho Amarelo: Sociedade faz alerta para importância do diagnóstico do câncer ósseo

Sociedade Brasileira de Oncologia Pediátrica reforça a importância de escutar as queixas das crianças e adolescentes e não ignorar os sinais do câncer ósseo

Julho Amarelo: Sociedade faz alerta para importância do diagnóstico do câncer ósseo
Julho Amarelo: Sociedade faz alerta para importância do diagnóstico do câncer ósseo – Freepik

Neste mês de julho acontece a campanha do ‘Julho Amarelo’, que visa conscientizar a população sobre o câncer nos ossos e a importância do diagnóstico precoce para um tratamento mais eficaz e assertivo.

Publicidade

De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (INCA), o osteossarcoma é a neoplasia óssea mais prevalente na população infantojuvenil (0 a 19 anos de idade), correspondendo de 3% a 5% de todas as neoplasias nesta faixa etária, sendo mais frequente no sexo masculino e acometendo principalmente ossos longos como fêmures, tíbias e úmero.

Importância do diagnóstico do câncer ósseo

O tumor pode ter origem na produção de células anormais no tecido ósseo, classificado como câncer ósseo primário, ou se desenvolver em outro órgão e migrar para o osso por meio da corrente sanguínea, o que se costuma chamar de câncer secundário ou metastático.

“Geralmente os sintomas iniciam-se com dor de leve intensidade, que melhora com analgésicos comuns. Com a evolução do quadro clínico, a dor torna-se mais intensa, associa-se a calor local e aumento de partes moles”, explica a Dra. Carla Macedo, oncologista pediátrica e membro da Sociedade Brasileira de Oncologia Pediátrica (SOBOPE).

Em crianças, esses sinais podem ser confundidos com alguma queda, batida ou algo similar. Assim, as mães devem estar atentas a qualquer tipo de queixa feita pelas crianças e adolescentes, como afirma a oncologista pediátrica e membro da diretoria da SOBOPE, Dra. Flávia Delgado Martins.

Publicidade

“Os familiares devem estar atentos a qualquer alteração e devem abrir espaço diariamente para que as crianças e adolescentes exponham suas queixas. É necessário não ignorar os sinais iniciais do câncer, dar atenção às queixas, principalmente as recorrentes, ter acompanhamento médico regular e levá-los para consulta com o pediatra caso surja alguma anormalidade. Afinal, toda queixa importa”, diz a profissional.

Os exames da Medicina Nuclear são fundamentais para detecção tanto do câncer ósseo primário, como dos secundários. A avaliação de imagem inicial na suspeita de um câncer ósseo se faz com exames de radiografia simples – o raio-X. “A partir do momento em que aumentamos ou confirmamos a suspeita da tumor ósseo partimos para avaliação de corpo inteiro, além daquelas de estudo especial dos locais que estão doendo ou inchados. O rastreamento de corpo inteiro permite verificar se houve metástase”, esclarece a Dra. Adelina Sanches, diretora da Sociedade Brasileira de Medicina Nuclear (SBMN).

Exames como tomografia, ressonância magnética e cintilografia óssea para mapeamento e investigação complementar são necessários para uma análise mais aprofundada e conclusão do diagnóstico.

Publicidade

O tratamento envolve equipe multidisciplinar, poliquimoterapia e controle local com cirurgia. Na maioria dos casos de doença primária (osteossarcoma e Sarcoma de Ewing), primeiro o paciente é submetido a quimioterapia, depois passa pela cirurgia para a retirada do tumor, e novamente por sessões de quimioterapia. O condrossarcoma, neoplasia que se desenvolve nas células que formam a cartilagem, é geralmente tratado somente com cirurgia.

Quando diagnosticado precocemente, as chances de cura aumentam, e a possibilidade de amputação ou perda de função do membro diminuem. Dessa forma, é de extrema importância a avaliação médica precoce, o acompanhamento pediátrico, a realização de exames de imagem iniciais, como uma radiografia simples, e o encaminhamento ao centro de referência assim que faça uma suspeita.

Publicidade