Publicidade

Você sabia que apenas 70% das pessoas utilizam papel higiênico no mundo?

Da falta de árvores até a de dinheiro, entenda por que muitos escolhem não usar o material em outros países

papel-higiênico
Apenas 70% das pessoas do mundo utilizam papel higiênico – Getty Images / LauriPatterson

Segundo registros históricos, a primeira pessoa a utilizar um papel higiênico estava na China, vivendo no século VI. A partir disso, no século XIV, o governo chinês passou a fabricar o produto em massa, e só em 1857, foi possível comprar um pacote nos Estados Unidos. Tudo isso para te contar que, atualmente, 70% das pessoas do mundo usam o papel higiênico. Abaixo, você entenderá o porquê:

Publicidade

Usar ou não usar papel higiênico?

Acredite ou não, mas o site LifeHack aponta que quatro bilhões de pessoas não utilizam o papel higiênico. Os motivos variam entre a falta de árvores, de dinheiro ou de encanamento em certos locais. No caso de países europeus, por exemplo, os bidês são mais convenientes por causa da cultura e costumes dos habitantes. A África e a parte sudeste da Ásia também preferem a água para a limpeza.

Se convertermos o quilo em quilômetros, estatísticas de 34 pesquisas – realizadas por fontes como Worldometer, a Universidade do Chile e o jornal austríaco Der Standart – apontam que cada habitante da Nigéria consome 5 km por ano, seguido da Indonésia (26 km) e da Romênia (49 km). Enquanto isso, a China é a nação que mais recorre ao papel higiênico, totalizando em 6,5 bilhões de quilômetros por ano, e cada habitante gasta o equivalente a 347 km dentro do mesmo período.

Apesar de Portugal conter, aproximadamente, 10 milhões de habitantes, utiliza 1.035 quilômetros de papel higiênico. A América do Norte conta com 1.020 km por pessoa, ao passo que o Canadá consome 630 km. Na América Latina, por sua vez, o Chile é o maior de todos, pois são 443 km aproveitado por pessoa. No Brasil, o número cai um pouco para 226 km por habitante.

 

Publicidade
Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Inside History (@insidehistory)

Publicidade